Perguntas Frequentes

 

1) O que são o Projeto Credibilidade e The Trust Project? E o que eles fazem?

Único capítulo internacional de The Trust Project (TTP), o Projeto Credibilidade foi realizado através de uma parceria entre o Projor - Instituto para o Desenvolvimento do Jornalismo e o Programa de Pós-Graduação em Mídia e Tecnologia (PPGMiT), da Universidade Estadual Paulista (Unesp), entre dezembro de 2016 e abril de 2021. Em maio de 2021, o Credibilidade fundiu-se com o Projeto global. Desde 2016, os jornalistas Francisco Rolfsen Belda, presidente do Projor e docente da Unesp, e Angela Pimenta, diretora de operações do Projor, lideram as atividades no Brasil. A partir de maio de 2021, passaram a ser Co-Líderes do TTP no país. Após a fusão, o Projor passou a ser parceiro do Projeto e a parceria com a Unesp foi mantida.

O Trust Project mantém um consórcio internacional de organizações noticiosas que colaboram para criar padrões de transparência a fim de tornar a imprensa mais confiável. Dirigido pela jornalista Sally Lehrman, foi sediado no Centro Markkula para Ética Aplicada da Universidade Santa Clara, no Vale do Silício, até 2019, quando se tornou uma organização independente.

Trabalhamos com um processo de design centrado no usuário. A partir de  dezenas de entrevistas em profundidade com um espectro diversificado de vozes públicas, os profissionais envolvidos com o Trust Project identificaram e criaram um sistema de indicadores de credibilidade — composto de informações padronizadas sobre o processo de apuração e edição da notícia, a identificação de jornalistas e os compromissos editoriais do veículo — para tornar mais fácil que público identifique notícias confiáveis.

Plataformas digitais como Google, Facebook, Bing, que tornaram-se importantes distribuidores de notícias, participam como parceiros tecnológicos externos. Tais plataformas e também oTwitter podem usar os indicadores de credibilidade para distinguir e divulgar notícias confiáveis ​​para seus usuários.

2) O Sistema de Indicadores de Credibilidade

Trabalhamos para a adoção e/ou fortalecimento de padrões editoriais e éticos através do sistema de oito indicadores na apuração, edição, publicação e feedback sobre notícias, análises e opiniões:

  • Melhores práticas: quais são os seus padrões?

  • Expertise do jornalista (autor/produtor): quem está por trás da matéria?

  • Tipo de matéria: o que é isso? (etiquetas para notícia, análise, opinião, sátira e conteúdo patrocinado)

  • Citações e referências: maior acesso às fontes

  • Métodos: o processo de apuração

  • Apuração local?: expertise e geo-localização 

  • Diversidade de vozes

  • Feedback acionável: oportunidades para engajamento público

3) Nosso compromisso com a transparência e pluralidade

Em longo prazo, visamos que o sistema de indicadores, que chamamos também de "dados nutricionais da notícia" tornem-se um modelo para a imprensa brasileira em geral, independentemente do tamanho ou orientação ideológica do veículo. A propósito, acreditamos que o nosso sistema de indicadores também possa ser adotado pelos chamados jornalistas cidadãos e jornalistas ativistas.

À medida que o Credibilidade avance, iremos expandir o consórcio de mídia para torná-lo o mais diverso possível entre veículos comprometidos com o nosso sistema de indicadores.

4) Sobre a formação do consórcio de mídia no Brasil 

 

Em maio de 2019, seis veículos brasileiros — Agência Lupa, Agência Mural, Folha de S.Paulo, Nexo Jornal, O Povo e Poder360 — tornaram-se membros do Trust Project ao implementar a primeira fase do Mínimo Protocolo Viável (MVP) do Sistema de Indicadores de Credibilidade. A Gazeta e Amazônia Real .concluíram a implementação do MVP em julho de 2021 e também tornaram-se membros. Desde o início do projeto, em 2016, a Abraji é parceira institucional do Credibilidade. 

Em julho de 2021, os seguintes veículos estão em processo de adoção: Gaúcha ZH, Jornal do Commercio, JOTA, Ponte Jornalismo e UOL.   
 

Nosso trabalho consiste em colaborar com os veículos, ajudando-os a adotar e/ou fortalecer práticas editoriais e desenvolver interfaces digitais para a expressão dos indicadores nas plataformas de distribuição.

5) Quais são os critérios para integrar o consórcio de mídia?

Focamos em veículos que tenham uma política de ética (mesmo que ainda não esteja publicada em seu website), que produzam conteúdo jornalístico original (reportagem baseada em fatos) e tenham um compromisso claro com o interesse público. 

Caso deseje que seu veículo se candidate a integrar o projeto, responda por favor este questionário.​

6) O que é e quem pode usar a marca T?

 

No final de 2017, o Trust Project lançou a marca T, um indicador que pode ser usado, a critério dos veículos de seu consórcio que reconhecidamente adotem os oito indicadores de credibilidade e seus atributos. Para informações sobre quando e como os indicadores devem ser exibidos, veja o Trust Protocol (em inglês). Este vídeo do Trust Project (também em inglês) traz mais informações a respeito.

 

7) Não certificamos veículos ou conteúdo jornalístico

 

A marca T não é um selo de certificação de veículos e tampouco de seu conteúdo.

 

Dada a escala avassaladora da publicação de informações na internet, a tarefa de checar a autenticidade e veracidade do conteúdo demanda o trabalho de checagem específica de determinado artigo, atividade que tem sido exercida no Brasil pelos próprios veículos e também por veículos especializados em checagem como Aos Fatos, Lupa e Truco!

 

Vale acrescentar que a concessão da “marca T” não é o objetivo principal de nosso projeto. Seguindo as diretrizes do Trust Project, nossa missão principal é "criar padrões de transparência a fim de tornar a imprensa mais confiável". Em resumo, trabalhamos para que os veículos adotem, mesmo que parcialmente, o nosso sistema de indicadores de credibilidade na apuração, edição, publicação e feedback sobre notícias, análises e opiniões.